MotoGP terá wildcards em 2021

MotoGP terá wildcards em 2021

Antes de se iniciarem as férias de inverno, o Grande Prémio de Comissários (GPC), uma organização composta por membros da Dorna, FIM e IRTA, reuniu-se em Portugal no passado dia 20 de novembro para adotar um conjunto de medidas que entrarão em vigor no próximo ano de 2021 e que afetará diretamente a organização desportiva do campeonato.

A primeira tem a ver com a readmissão de wildcards. Em 2020, o GPC decidiu não admitir pilotos convidados ao longo do curso dado o carácter excecional de uma temporada marcada pela pandemia do coronavírus e todas as dificuldades técnicas e organizadoras que a Dorna e a FIM tiveram de ultrapassar para realizar uma agenda sólida.

Tendo em vista que a organização do campeonato confia que 2021 se irá realizar com alguma normalidade, o GPC anunciou o regresso dos wildcards às três categorias, embora a presença de pilotos convidados seja limitada a um máximo de dois por categoria em cada prova.

As fábricas de MotoGP poderão usar um máximo de três wildcards ao longo da temporada, embora a Aprilia, a única fábrica que irá beneficiar de concessões, possa operar até um máximo de seis wild cards. Refira-se ainda que na Moto2 e Moto3 só serão permitidos pilotos convidados por equipas já consolidadas na categoria, ou seja, não será permitida a entrada de um wildcard com uma nova equipa que não esteja definitivamente inscrita na grelha.

Esta decisão permitirá à Yamaha trabalhar em pista com o seu novo piloto de testes, Cal Crutchlow, até um máximo de três ocasiões ao longo de 2021, assim comoa  HRC com Stefan Bradl, Suzuki com Sylvain Guintoli, KTM com Dani Pedrosa ou Mika Kallio e Ducati com Michele Pirro.

A Aprilia é a única fábrica que ainda não sabe quem será o seu piloto de testes em 2021. A marca de Noale anunciou que Bradley Smith e Lorenzo Savadori vão correr com a moto de Andrea Iannone durante os testes de pré-temporada, para que um dos dois acabe por ser o companheiro de Aleix Espargaró e o outro encarrega-se do trabalho de desenvolvimento durante 2021, também desfrutando de até seis participações como wildcard.

Além da questão do wildcard, o GPC também adotou mais algumas medidas que entrarão em vigor em 2021:

Bandeiras amarelas – os pilotos que veem uma bandeira amarela devem reduzir a velocidade para proteger os pilotos caídos e os comissários que os auxiliam. Os pilotos que passarem por uma bandeira amarela numa sessão de treinos livres terão o seu tempo de volta cancelado. Esta medida já foi implementada pela Direção de Corridas em 2020, e agora o GPC a introduz oficialmente no regulamento.

Velocidade pit lane: A penalidade por excesso de velocidade na box durante uma corrida foi alterada para uma penalidade de duas voltas longas. Os comissários FIM reservam-se ao direito de impor mais ou diferentes penalidades, por exemplo, por velocidade excessivamente alta.

Depósitos de garantia para protestos e apelações: os regulamentos foram modificados para formalizar a prática atual. Qualquer pessoa ou entidade que apresentar um protesto ou recurso terá sempre a sua caução devolvida, caso o protesto ou recurso seja aprovado.

Melhor Grande Prémio de 2020: A Comissão decidiu que, devido à interrupção do calendário causada pela pandemia, nenhum evento seria declarado o Melhor Grande Prémio de 2020. No entanto, um será concedido troféu especial a todos os circuitos que tiveram eventos em 2020, em reconhecimento aos tremendos esforços que fizeram para apoiar o campeonato em tempos tão difíceis.