MotoGP: Suzuki dá liberdade para Mir e Rins disputarem o Mundial entre si

MotoGP: Suzuki dá liberdade para Mir e Rins disputarem o Mundial entre si

Os pilotos da marca japonesa estão separados por 32 pontos a três corridas do final da temporada.

A Suzuki tem dois pilotos nesta altura a lutar pelo título de campeão mundial de MotoGP e enquanto as hipóteses para qualquer um deles forem reais, a par de matematicamente ‘razoáveis’, dará liberdade a Joan Mir e Álex Rins para lutarem pelas vitórias recusando dar ordens de equipa que obriguem algum deles a afrouxar o acelerador em benefício do outro.

Esta história das ordens de equipa não agrada muito à Suzuki. Falámos claramente com os nossos pilotos para serem corretos entre eles e ganhará o que for melhor, afirmou o diretor da Suzuki, Davide Brivio,em declarações veiculadas pelo jornal «Marca» citando a «Sky».

Joan Mir é o atual líder do Mundial com 137 pontos e Álex Rins é o sexto classificado, com 105. Por entre eles, claro está, há mais quatro pilotos na discussão do título (Fabio Quartararo, Maverick Viñales, Franco Morbidelli e Andrea Dovizioso).

Com 32 pontos a distanciar os dois espanhóis da Suzuki e um máximo de 75 ainda por obter nas três provas que faltam (duas em Valência e uma em Portugal), Brivio garante liberdade total aos dois para lutarem pelo título: Tanto o Álex como o Joan querem ganhar. Não temos intenção de dar ordens de equipa, também pelo respeito para com Rins, que ainda tem hipóteses de vencer o Mundial.

“Todos sabemos o valor que tem ganhar um Mundial com a Suzuki e não fazer nada pode aumentar o risco de perder o título” que a marca japonesa não consegue na classe rainha desde 2000. “Mas é um risco que eu considero que há que tomar, assume Brivio explicando que a situação pode mudar: Se Rins estiver a 24 ou 25 pontos quando faltar uma corrida, as coisas serão de outra maneira. Enquanto tiver possibilidades, é diferente. Há que dar-lhe valor.

O Mundial de MotoGP prossegue no fim de semana de 8 de novembro com o GP da Europa, no Circuito Ricardo Tormo. Na semana seguinte, mantém-se em Valência e, uma semana depois, terá lugar a última corrida época em Portimão.