MotoGP: Dani Pedrosa, “Fiquei emocionado e feliz por esta primeira vitória na KTM”

MotoGP: Dani Pedrosa, “Fiquei emocionado e feliz por esta primeira vitória na KTM”

A KTM nunca vai esquecer a data de 9 de agosto de 2020. Neste dia, a marca austríaca conquistou a sua primeira vitória no Campeonato Mundial de MotoGP após quatro anos de trabalho incansável, categoria na qual a KTM entrou com um conceito de moto radicalmente diferente dos seus rivais.

Poucos podiam apostar que aquela primeira RC16 com quadro tubular de aço e suspensões WP seria capaz de vencer o resto das fábricas quatro temporadas depois.

Na sua terceira corrida de MotoGP, Brad Binder alcançou algo histórico na República Checa, ao vencer a corrida da categoria rainha com uma superioridade surpreendente sobre os seus rivais, todos incapazes de acompanhar o ritmo frenético do sul-africano, que acabou por ter uma almofada com mais de cinco segundos da satélite Yamaha de Franco Morbidelli.

O marco que a KTM atingiu ontem na República Checa nada mais é do que uma recompensa pelo trabalho incansável de uma fábrica que há apenas cinco anos não tinha presença na categoria rainha. Entre os culpados, Brad Binder ganhou em Brno, o seu companheiro de equipa Pol Espargaró, foi o primeiro piloto a subir ao pódio com a KTM em Valência 2018 e claro, Dani Pedrosa, que se juntou a este projeto no fim de 2018.

dani-pedrosa-red-bull-ktm

O ‘Pequeno Samurai’ pode hoje fazer parte dos méritos do sucesso alcançado pela KTM. Dani foi um dos que mais pressionou depois da sua chegada à fábrica austríaca para mudar o conceito do seu quadro, propondo aos seus engenheiros um compromisso entre o tubular da RC16 e a viga dupla amplamente utilizada no MotoGP.

O resultado foi um quadro híbrido com duas secções laterais retangulares enganchadas a uma estrutura de tubos de aço que, desde o primeiro momento, convenceu todos os pilotos da KTM, especialmente Pol Espargaró, que destacou a melhoria do comportamento deste quadro na fase de entrada em curva, tornando a RC16 uma moto mais amigável e menos rígida.

O trabalho de Pedrosa nos bastidores tem sido incansável desde então, participou numa série de testes estratégicos privados nos quais, além de testar novas peças, o # 26 tem avançado parte da obra para os pilotos de fábrica que enfrentam os grandes prémios, especialmente no que diz respeito às configurações ideais para um bom ritmo de corrida.

Precisamente Pedrosa esteve neste mesmo Circuito de Brno há quatro semanas, no início de julho, a completar dois dias de treino privado que acabaram por ser um sucesso para a sua fábrica.

O próprio Dani está “empolgado e feliz” nas suas redes sociais pela vitória de Binder na República Checa”.

E atenção, pois agora são duas corridas consecutivas na Áustria, outro circuito em que o Dani esteve a trabalhar no fim de julho com mais dois dias de intenso trabalho para polir as afinações e a eletrónica da RC16 2020 em que será um duplo encontro em casa para os austríacos.