CB 1000 R 2021, a supernaked que faltava à Honda

Atualmente, a Honda não possui um modelo próprio capaz de competir no segmento hipnótico, uma categoria que foi completamente revolucionada em 2020 com a chegada de três novos e impressionantes modelos: a Ducati Streetfighter V4 (208 cv), a Kawasaki Z H2 (200 cv) e a renovada KTM 1290 Super Duke R (177 cv), três naked desportivas que enfrentarão a Aprilia Tuono V4 1100 Factory, a BMW S 1000 R e a Yamaha MT-10.

O modelo Honda que mais se aproxima deste conceito hipnótico é representado pela CB 1000 R, uma naked que a própria marca batizou de ‘Neo-retro’ e que viu a luz do dia em finais de 2017 com uma filosofia mais clássica mas que partilha o mesmo desempenho desportivo das grandes motos mencionadas acima.

O motor da mais recente CB 1000 R é derivado do motor de quatro cilindros da Fireblade anterior, um motor de quatro cilindros em linha de 16 válvulas.

A Honda também reduziu o peso em 20% para 212 quilos com todos os liquidos, introduziu um novo quadro de aço de coluna única e forneceu à CBR 1000 R 2018 um sistema de suspensão mais refinado que consiste numa forquilha Showa SFF-BP e um amortecedor Showa.

2.

A CBR 1000 R 2018 é uma boa máquina para quem está à procura de uma naked diferente, com uma aparência marcante e uma nova filosofia. A nível de equipamento e de tecnologia, não é razoável (quickshifter, punhos aquecidas, três modos de condução, controle tração, ABS e painel de intruções LCD), mas pertence a outro nível, inferior em comparação com a Streetfighter V4, a Z H2, a Tuono V4 e companhia, naked com mais 60 cv e uma implantação tecnológica que deixa esta Honda CB 1000 R aquém das suas prestetivas.

No entanto, esta situação irá ter uma reviravolta inesperada em 2021, tudo indica (segundo fontes próximas da marca) que a Honda decidiu tirar proveito todo o desenvolvimento feito na sua espetacular CBR 1000 RR-R para criar uma versão naked sem compromissos, uma verdadeira superbike sem carenagem que ostentaria um motor transbordante com 217 cv de potência, auxílios aerodinâmicos graças aos spoilers laterais que geram um alto efeito de força descendente e equipamentos de primeira, onde haverá uma forquilha invertida Öhlins NIX30 de 43 mm onde trabalha em junto a um TTX36 S-EC traseiro, pinças de travão Brembo Stylema e uma perda de peso que reduzirá esta máquina para apenas 200 quilos com um depósito cheio de combustível.

3.

O designer Kardesign mantem a CB 1000 R 2021, com o quadro inconfundível do braço traseiro da geração atual em combinação com o novo quadro de alumínio de dupla viga da CBR, destacando uma nova ótica frontal do Tipo ‘streetfighter’ que preserva a entrada de ar frontal do motor.

 

Como sempre, um louvável exercício de design que poderá antecipar a chegada de um modelo naked premium da marca japonesa.