Controlo em cascata multam condutores que travam antes e aceleram depois do radar

Atendendo ao número elevado de radares nas estradas e ao forte investimento das autoridades no combate à sinistralidade, os condutores estão a adotar comportamentos mais conscientes. Contudo, há ainda quem tenha dificuldades em interiorizar a mensagem e continue a arriscar conduzir em excesso de velocidade.

Um dos esquemas utilizados pelos infratores nas estradas controladas através de radares fixos, cuja posição é anunciada ou sobejamente conhecida, consiste em travar para atravessar zona fiscalizada, e acelerar logo depois para retomarem o ritmo a que viajavam.

Uma forma de evitar uma multa, que pode ter os dias contados, graças a um método que está a ser utilizado pela polícia espanhola, com resultados que estão a merecer a atenção das autoridades de outros países…

Radares em cascata

Na vizinha Espanha utiliza-se com sucesso o esquema de radares em cascata para caçar condutores que tentam escapar ao controlo de velocidade, levantando o pé/mão do acelerador, com o único objetivo de passarem invisíveis ao sistema de deteção de trânsito, e voltando a acelerar quando se encontram fora do alcance do aparelho de controlo.

O sistema da polícia no país vizinho é muito simples e passa pela colocação de um ou mais radares móveis, uns metros à frente, já fora da área de ação do radar fixo.

Super-radares ‘caçam’ a 1200 metros

O truque de ‘levantar o pé ou a mão’ apenas uns metros antes do local onde está a efetuar-se um controlo de velocidade também é praticamente impossível em estradas que contem com os préstimos do super-radar da Tradesegur. Trata-se de um radar laser, que se distingue dos demais por permitir um alcance de medição de 1200 metros, suplantando largamente as capacidades dos radares usados normalmente pelas autoridades portuguesas, cujo alcance não excede os 50 metros.